20130206143207-capa-3

Film expedition to Cabo Verde

Join us on an expedition to the remote Raso islet to document a rare and endangered bird species, the Raso Lark.

In partnership with
20130925092712-logo_small
Film expedition to Cabo Verde is sponsored by Naturfunding, environmental crowdfunding initiative.

(versão portuguesa em baixo)

  • Please note, if you consider making a donation keep in mind that this is a fixed funding campaign. All contributions will be refunded if we don’t meet our goal.

In short

The aim of this campaign is to raise funds to cover the travel expenses and logistics involved in the production of a nature documentary centered on the biodiversity of the Cape Verde archipelago in general and on the endemic Raso lark in particular. The plan is to show the documentary in film festivals, possibly on the TV and on the web. We also expect that the NGOs involved in the conservation of the archipelago's biodiversity may benefit from having media that supports their environmental education programs.

Where

Cape Verde is an independent country and an archipelago that comprises 10 islands, located 570 kilometers off the coast of Western Africa. These are home to 36 breeding bird species of which 14 are endemic forms. Not surprisingly, as an oceanic archipelago, Cape Verde harbors many relevant sea bird colonies that help to explain why there were 12 Important Bird Areas classified in this territory. Nonetheless, the focus of this project is one of Cape Verde’s unique land birds, the Raso lark, which gets its name from the only place where it exists today: the islet of Raso.

Raso – This arid, uninhabited, small island is the last stronghold of the Raso lark, even though only half of its 7km2 presents suitable breeding habitat for the species. Since such localized distribution means higher vulnerability to extinction, researchers are now turning to reintroducing the bird to a nearby island, Santa Luzia, so to increase the species’ chances of survival.

Santa Luzia – With 5 times the area of Raso, Santa Luzia was once an important breeding ground for the Raso lark. Because these birds build their nests on the ground, they rapidly disappeared after the introduction of cats, an event that has had many other serious consequences upon the ecological balance of the island. This is where most of the action is happening as researchers are studying ways of promoting the return of a viable population of Raso larks.

What

Field work is being developed by a local NGO, Biosfera I, in collaboration with the Society for the Study of Birds (SPEA) and the Royal Society for the Protection of Birds (RSPB) to assess limiting factors of the population and to evaluate how to remove the cats from Santa Luzia. This will enable the Raso lark to breed on the island once again, thus significantly increasing the chances of survival of such a rare and localized species.

Our plan is to join these NGOs and film their work as they attempt to preserve the islands’ biodiversity and reinforce their ecological balance.

Why

We have both worked with island endemics before and we understand that they head the table of man induced extinctions. Oceanic islands not only present themselves as living labs that reveal the processes of evolution, but also possess a priceless biodiversity asset.
With this project we hope to raise awareness for the protection of biodiversity and to disclose the beauty of this archipelago and the relevance of the environmental effort that is underway there.

When

We plan on filming during the next breeding season but specific arrangements will have to be made with the biologists on location. We expect to have the documentary finished by the end of this year.

Who

Alexandre Vaz is currently finishing a degree in sociology but has been working professionally as an ornithologist and as photojournalist for over a decade. In the last three years he has taken part in several scientific expeditions to Africa that focused both on bird speciation and conservation, including Angola, São Tomé and Principe and Gabon.

Madalena Boto first studied biology but her interest in photography and cinema led her to find ways to communicate science rather than making it. Since finishing her Masters in wildlife documentary production, she has worked on a variety of productions and is currently taking part in a conservation project in the Brazilian Amazon. You can read more here: http://madalenaboto.com.

Pedro Geraldes is a biologist and, since a very early age, a keen birdwatcher that works in the Portuguese Society for the Study of Birds. He participated in several birds studies and surveys and specialized in seabirds and projects of habitat recovery in islands.

Budget

We think it's important to emphasize that this budget does not include any revenue for anyone involved in this project. All stages, including research and preproduction, shooting, postproduction, original soundtrack, promotion and distribution rely strictly on volunteer work. The amount targeted by this campaign is intended to cover exclusively traveling and logistic costs based on an informed guess that includes air fares between Portugal and Cabo Verde and within the archipelago. Although the core of the documentary is anchored on the Raso Lark and in the islands of Santa Luzia and Raso, we wish to place this project in context within the beauty and diversity of the archipelago. To do so we plan to stay there between 3-5 week. The budget also includes bureaucracy costs (permits and visas) boat trips between smaller islands, overnight costs and food. We already have all the essential equipment, but some specific accessories including safety equipment such as life vests or dry bags and smaller items such as spare hard drives or a solar battery charger may be essential for this trip. Finally we have to consider shipping or overweight costs to carry all the equipment. All in all, we set the minimum amount to cover the absolutely essential items on this list. If by any chance we manage to surpass the minimum amount we will restructure our script and invest in staying longer and capturing more footage as well as taking more equipment that would allow us to be more daring and creative.

http://www.biosferaum.org/index.html

http://www.spea.pt/pt/

http://www.rspb.org.uk/

Feel free to contact us for further information about the project or the perks.

_____________________________________________________________________

  • Caso considere fazer uma doação, note que esta é uma campanha de montante fixo. Todos os contributos serão reembolsados caso não consigamos atingir o objectivo.

Em suma:

Esta campanha tem por objectivo angariar o montante que cubra as despesas de deslocação e de logística envolvidas na produção de um documentário de natureza, centrado na biodiversidade do arquipélago de Cabo Verde e em particular, na Calhandra do Raso. O objectivo é exibir o documentário em festivais e possivelmente na televisão e na internet. Também esperamos que as ONGs envolvidas na conservação da biodiversidade do arquipélago possam beneficiar deste material como suporte às suas acções de educação ambiental.

Onde?

Cabo Verde é um país situado no Atlântico a 570 quilómetros da costa Africana composto por 10 ilhas e 5 ilhéus. Das 36 espécies de aves que aqui se reproduzem, 14 são formas endémicas. Naturalmente, enquanto arquipélago oceânico, alberga várias colónias importantes de aves marinhas que explicam em parte por que razão foram aqui classificadas 12 áreas de importância internacional para a conservação das aves. No entanto, o foco deste projecto é um pássaro único de Cabo Verde, a Calhandra do Raso, assim baptizado em virtude de actualmente apenas existir no Ilhéu com o mesmo nome. 

Raso – Apesar de apenas cerca de metade da área desta pequena e árida ilha de 7km2 constituir habitat adequado, este é actualmente o único reduto da Calhanda do Raso. Como uma área de distribuição tão restrita acarreta um elevado risco de extinção, os investigadores voltam-se agora para a possibilidade de reintroduzir estas aves na ilha vizinha de Santa Luzia e assim aumentar as probabilidades de sobrevivência desta espécie.

Santa Luzia – Com uma área 5 vezes superior à do Raso, foi outrora um importante local de nidificação da espécie. No entanto, sendo uma ave que nidifica no solo, a Calhandra do Raso desapareceu da ilha rapidamente depois da introdução de gatos domésticos. Esta introdução teve várias outras consequências graves no equilíbrio ecológico da ilha e é precisamente para restaurar esse equilíbrio e reunir as condições para o regresso de uma população viável de calhandras do Raso que os investigadores hoje trabalham.

O quê?

O trabalho de campo está ser desenvolvido por uma ONG local, a Biosfera 1, em colaboração com a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e a Royal Society for the Protection of Birds (RSPB) para estudar os factores limitantes da população e para estudar a melhor forma de remover os gatos de Santa Luzia. Isto permitirá o regresso da Calhandra do Raso, aumentando significativamente as probabilidades de sobrevivência desta espécie tão rara e localizada.

A nossa intenção é juntarmo-nos a estas ONGs e documentar a sua acção na preservação da biodiversidade e no restauro do equilíbrio ecológico destas ilhas.

Porquê?

Ambos já trabalhámos com endemismos insulares e temos presente que estes lideram as extinções de origem antropogénica. As ilhas oceânicas não só constituem laboratórios vivos que nos ilustram os processos de evolução, como albergam um património natural inestimável. Com este projecto esperamos alertar para a importância da preservação da biodiversidade, revelar a beleza deste arquipélago e a importância do trabalho de conservação que aqui está a ser levado a cabo.

Quando?

Tencionamos rodar o documentário durante a próxima época de nidificação, mas um agendamento mais preciso terá de ser estabelecido em articulação com os investigadores no terreno. Esperamos ter o documentário pronto no final deste ano.

Quem?

Alexandre Vaz está a concluir uma licenciatura em sociologia mas trabalha profissionalmente como ornitólogo e fotojornalista há mais de uma década. Nos últimos três anos fez parte de várias expedições científicas a África dedicadas a questões de especiação e conservação das aves, incluindo Angola, São Tomé e Príncipe e Gabão.

Madalena Boto estudou biologia mas o seu interesse em fotografia e cinema levaram-na a procurar formas de comunicar ciência em vez de a fazer em primeira mão. Desde que terminou o seu mestrado em produção de documentários de vida selvagem trabalhou em várias produções e está actualmente envolvida num projecto de conservação na Amazónia Brasileira. Mais informação em: http://madalenaboto.com.

Pedro Geraldes é um Biólogo da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, que desde muito cedo se dedicou ao Birdwatching. Participou em vários estudos e censos de aves e especializou-se em trabalhos com aves marinhas e recuperação de habitats insulares.

Orçamento

Pensamos ser importante sublinhar que este orçamento não pressupõe quaisquer honorários para as pessoas envolvidas no projecto. Todas as fases, incluindo pré-produção, rodagem, pós-produção, banda sonora original, promoção e distribuição dependem apenas de trabalho voluntário. O montante objecto desta campanha é destinado a cobrir despesas logísticas e de viagens e baseia-se numa estimativa que inclui deslocações aéreas entre Portugal e Cabo Verde e dentro deste arquipélago. Apesar de este documentário estar ancorado na Calhandra do Raso e nas ilhas de Santa Luzia e Raso, pretendemos contextualizar esta realidade na beleza e diversidade do arquipélago. Para tal, prevemos um período de rodagem de entre 3 a 5 semanas. O orçamento também inclui custos com burocracia (vistos e licenças), viagens de barco entre ilhas, dormidas e alimentação. Já possuímos todo o equipamento essencial, no entanto poderá ser necessário adquirir alguns acessórios específicos, incluindo equipamento de segurança, como coletes salva-vidas ou sacos estanques, e outros equipamentos essenciais para esta viagem como discos externos ou um carregador de baterias solar. Finalmente, tivemos ainda em conta a provável necessidade de despachar equipamento ou pagar excesso de bagagem. Dito isto, o valor mínimo por nós calculado cobre aquelas que nos pareceram ser as despesas absolutamente essenciais. Na eventualidade de ultrapassarmos este valor, reestruturaríamos o nosso guião, prevendo mais tempo no terreno e a possibilidade de recolher mais imagens, bem como levar mais equipamento que nos permita ser mais ousados e criativos.

http://www.biosferaum.org/index.html

http://www.spea.pt/pt/

http://www.rspb.org.uk/

 Contacte-nos para mais informações sobre o projecto ou sobre as recompensas.

Team on This Campaign: